Os riscos do sexo oral

02 de outubro de 2012 - Por: , em: Artigo/Notícias

Um relatório do CDC lembra que pode ser perigoso – mas os riscos são mais complicados do que se pensa


Sexo oral com preservativo ou represa dental: é uma daquelas coisas coisas que educadores sexuais pregam, mas que as pessoas raramente praticam. Uma advertência que veio há poucos dias com a divulgação de um relatório do CDC observa que “os adolescentes percebem menos riscos de saúde relacionados ao sexo oral em comparação à relação sexual vaginal” e, como resultado, os jovens podem “estar se colocando em risco de DSTs ou Aids, antes mesmo de se arriscarem na gravidez. ”

Minha reação imediata foi de pensar: bem, mas há menos riscos relacionados à saúde, certo? Então me deparei com esta observação no noticiário HealthDay de Christopher Hurt, um professor da Divisão de Doenças Infecciosas da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill: “Eu diria que o risco de transmissão de DST através do sexo oral é subvalorizado e subestimado. Como parte de programas de educação sexual, as crianças precisam estar cientes desse fato, que o sexo oral não é uma atividade completamente livre de riscos”. Mas eu me perguntava, o quão perigoso é isso?

Acontece que fazer uma imagem sólida do perigo é difícil. Mayes Nikki, do escritório do CDC mídia, diz: “Até onde eu sei, nenhum estudo quantificou o risco exato de todas as DSTs [através do sexo oral]”, e o CDC não coleta dados sobre DSTs contraídas através do sexo oral. É difícil atribuir infecções a qualquer ato do mesmo sexo – a maioria das pessoas que contraem DSTs envolvem em uma variedade de práticas sexuais de risco potencial.

Mas podemos olhar para o que sabemos sobre os riscos de transmissão de DSTs específicas, começando primeiro com o que mais assusta as pessoas: Aids. Acredita-se que o maior perigo quando se trata de sexo oral tem a ver com a felação para o “parceiro receptivo” (Então cá está o que fode tudo: na linguagem clínica, “sexo oral receptivo” refere-se a fazer sexo oral em alguém – ou “dar a cabeça”, em linguajar infantil – e não, de fato, “receber”. Você pode pensar desta maneira: O parceiro receptivo está recebendo o pênis ou a vagina em sua boca) O site do AVERT, uma entidade filantrópica internacional contra HIV e Aids, explica que a transmissão pode ocorrer quando “fluido sexual (sêmen ou fluido vaginal) ou sangue (de menstruação ou uma ferida em algum lugar na região genital ou anal) [chega] a um corte, úlcera, ferida ou área de inflamação em algum lugar em sua boca ou garganta”.

Um estudo da Universidade da Califórnia, San Francisco, apontou o risco de transmissão via contato por meio de felação “receptiva” com um parceiro HIV positivo em 0,04%. (Como perspectiva, considere que o mesmo estudo encontrou um risco muito maior, de 0,82%, para o sexo anal desprotegido.) Os pesquisadores calcularam a taxa de transmissão do HIV para 4 de 10.000 atos de felação. Sem ejaculação na boca, no entanto, alguns especialistas têm chamado a transmissão do HIV através do sexo oral de “risco extremamente baixo”.

Quanto ao perigo de ter alguém fazendo sexo oral desprotegido em você: “O único risco neste cenário seria de sangrar feridas ou gengivas na boca da pessoa HIV positivo ou em seus lábios, que podem transferir o sangue para as membranas mucosas do outro genitais ou no ânus da pessoa, ou em quaisquer cortes ou feridas que possam ter,” de acordo com o AVERT.

(Espero que tudo faça sentido – meu cérebro ainda dói ao tentar entender o conceito de “sexo oral receptivo”.)

Agora que já dirigimos o pior medo das pessoas, vamos a uma preocupação mais realista: herpes. A doença que apresenta a maior ameaça de transmissão através do sexo oral, e os métodos de barreira nem sempre a previnem. O mais arriscado é a transmissão de HSV-1, que normalmente aparece como feridas ao redor da boca, mas que pode ser transmitido a partir da boca para os órgãos genitais. Um estudo descobriu que as mulheres que receberam o sexo oral, mas não tiveram relação vaginal teriam nove vezes mais chances de contrair o vírus do que as mulheres sexualmente inativas. (Isso em comparação com as mulheres que tiveram apenas relações sexuais vaginais, que estariam em um risco menor.) HSV-2 também pode ser transmitido de órgãos genitais para a boca, embora seja mais raro.

O outro dentre os maiores riscos através do sexo oral é gonorreia, diz Hurt. Clínicas de DST relataram que 5% a 10% dos pacientes têm gonorreia da garganta. Mais assustador ainda: Casos de gonorreia resistente a antibióticos orais estão em ascensão (ou seja, esses casos são mais difíceis de tratar, mas não incuráveis).

Clamídia e sífilis estão no segundo nível de risco através do sexo oral. Um estudo de Chicago descobriu que 13,7% dos casos de sífilis foram atribuídos ao sexo oral. Geralmente, porém, acredita-se ser incomum. Quanto à sífilis, uma infecção aparentemente antiquada, é “facilmente transmitida” durante o sexo oral – “se a boca da pessoa entra em contato com uma ferida aberta ou uma erupção cutânea causada pela infecção”, segundo a AVERT.

Como para o HPV, Hurt diz, “De fato, não sabemos qual o risco … mas o vírus claramente pode infectar dentro e em torno da boca, bem como no trato genital.” Um estudo descreveu o risco como “baixo”. Você provavelmente já viu manchetes assustadoras sobre sexo oral causar câncer, mas cânceres orais vinculados ao HPV são muito raros: cerca de cinco a cada 100.000 pessoas. (E a maioria dos cânceres orais são vinculados ao HPV 16, e nós temos uma vacina para isso agora).

Mais abaixo na lista de risco estão hepatite A, infecções gastrointestinais, e parasitas, entre outros -, pausa para um momento de diversão.

Uma conclusão é que – desculpe, fãs da felação – boquete tende a ser mais arriscado do que sexo oral em mulheres. “Em todas as DSTs e em todos os atos sexuais, geralmente o parceiro receptivo é quem sofre o maior risco de adquirir doenças. A ideia é que, para onde quer que a ejaculação vá, é também onde a maior carga de material infeccioso irá acabar”, diz Hurt. Mas isso não significa que quem pratica oral nelas estão protegidos: ele também afirma que o risco de contrair a sífilis, herpes ou HPV realizando sexo oral em uma mulher é “indiscutivelmente tão alto” quanto com felação “uma vez que estas infecções podem ocorrer tanto no interior do vagina como na superfície da pele. ”

Há um fosso entre as recomendações especialistas em saúde sexual e o comportamento real das pessoas: uma pesquisa de 2004 com adultos dos EUA descobriu que 82% dos participantes sexualmente ativos nunca haviam usado preservativo ou represa dental durante o sexo oral. Uma pesquisa do Reino Unido com aqueles de 16 a 18 anos descobriu que apenas 2% dos que tinham experimentado felação haviam consistentemente usado preservativos. “É muito incomum que as pessoas realmente usem preservativos ou represas dentais quando fazem sexo oral”, diz Hurt. Preservativos aromatizados e represas dentais ajudar a incentivar a prática, mas “eles só podem chegar ao ponto de fazer [sexo oral] através de látex ou poliuretano uma experiência prazerosa para ambos os parceiros.”

Então, veja você, é difícil apontar o risco exato de sexo oral desprotegido. Mas Hurt diz: “O ponto mais importante é que tudo é relativo, e sexo oral não é livre de riscos”.

 

Fonte: Salon

 

* Lasciva é jornalista é deseja ir fundo no assunto do sexo. Propaga ideias libertárias e narra suas aventuras sexuais e afetivas em lasciva.blog.br

26 Profanaram Adicionar novo comentário

  1. Namorado Preocupado disse:

    Namoro a 6 anos com minha parceira e ambos não temos nenhuma doença sexualmente transmissível, então acredito que podemos fazer sexo oral sem camisinha com 100% de segurança? Ou há a possibilidade de gerarmos a possibilidade somente pelo ato, mesmo sabendo que não temos a doença? Digo isso pelo de poder haver bactérias que não fazem mal enqto estão em seu local natural mas qdo vão para outro local podem trazer males(ex as bactérias da vagina que nao fazem mal enqto estao na vagina mas ao passar para a boca do parceiro poder causar algum efeito)

    • Alex disse:

      Kra, fica despreocupado, essas coisas são só para aquele povo que é livre e não está em relacionamento, que sai pegando geral, feito os exames, vc tah ok ela tah ok, vaum se divertir, se nenhum dos dois trair e ter o azar de pegar por outros locais, os vírus e bactérias não vão se desenvolver do nada. ^^ Curta seu sexo gostoso e sem preocupação.

  2. Leana disse:

    nossa .. fala sério … jamais vou chupar bala com papel ! rsrsrsrs

  3. Lucas disse:

    Mas isso é sexo entre pessoas ‘desconhecidas’. Se você estiver namorando ou casado e nenhum dos dois tiver doenças, não há risco. A doença não aparece do nada. Certo?

    • Mimi disse:

      Estar casado não exclui de um dos parceiros fazerem sexo com outras pessoas. Nesse caso, não tem como você ter 100% de certeza se os maridos/esposas estão pulando a cerca.

  4. JPJ disse:

    Bacana o texto, bem informativo e trás para a superfície algo que a população sexualmente ativa costuma deixar ‘pra lá’.

    Mas só uma observação vinda de um leitor que gosta muito do site: texto mal escrito e muito mal traduzido. Gentileza capricharem mais, heim?

  5. José disse:

    Se for pra fazer oral com camisinha, nem precisa. Peço ela para tocar uma punheta.

  6. Luizz disse:

    os riscos são baixos para as doenças mais perigosas. então não precisa se alienar, existem trocentos de tipos de virus de hpv, potencialmente perigosos são 1 ou 2.
    pensem um pouco. o mais correto e saudavel a se fazer é o parceiro realizar os exames, são simples e rápidos. não saia por ai dando ou fodendo todo mundo. simples, se for transar com alguém desconhecido, se proteja.

    como eu e minha namorada, fizemos os exames, somos saudaveis e foda-se a camisinha, só ponho ela para não ejacular dentro dela. as pessoas deviam ser estimuladas a fazer os exames para saberem o que tem, se todo mundo andasse por ai com os exames na mão, não precisaria de tanta alienação

    • Ale disse:

      É aquele esquema, todo mundo fala que gosta e faz safadeza, mas na hora de fazer algo como “um exame pra ter aval pra fazer safadeza” ficam todos envergonhados como o clássico: O que que o médico vai pensar, vai que a enfermeira me conhece, etc…

      E realmente, as campanhas não deviam ser tão anti-sexo como são, e sim, pró- maneiras de tornar seu sexo seguro, exemplificando MUITO a importância dos exames entre um casal ativo.

  7. Luis disse:

    http://lasciva.blog.br/dicas/como-me-protejo-no-sexo-oral/
    ……
    primeiro diz que não tem grandes problemas, etc, dá até a famosa dica saiba-quem-escolher-a-esmo, depois vem com esses dados pra lá de manjados por todos que comentaram a boqueteira.
    Espero que mande o link desse post para a coitada da Carol, e espero que já não seja tarde demais.

    • Lasciva disse:

      afe. nao disse que não tem grandes problemas. respondi à minha leitora como eu lido com a coisa.
      e como informação nunca é demais, esse texto só ratifica como sei me tratar.
      tanto é que sou uma menina saudável e nunca tive nenhuma das doenças citadas.
      coitado de você, espero que não seja tarde demais para você rever seu recalque.

  8. Vish disse:

    Mta coisa para ler

  9. CadeOLink disse:

    De onde saiu essa foto gostosa.. alguem tem o link?

  10. Violet disse:

    Ja não gosto mesmo… mais um tanto de motivos pra não fazer…

  11. Nelson disse:

    Só pra constar, “felação receptiva”, é, apenas, exclusivamente, e em língua chula, chupar pau. Ser chupado ou chupar qualquer outra coisa recebem outros nomes.

  12. motherfucker disse:

    queria saber como se faz sexo oral seguro na mulher?aids é que nem pique pega se ta com voce tu corre e passa pra otro

  13. aids disse:

    não engravida mesmo kkkkkk

  14. rafs disse:

    O que eh uma represa dental????

  15. Ashe disse:

    Nunca fiz sexo oral com camisinha e provavelmente nunca vou fazer, diga oque digao, aids é que nem sarampo só pega um vez ASUHIAUSHIUAHS