Eu Sou um Pedaço de Carne

08 de fevereiro de 2013 - Por: , em: Gerais

No mês do Carnaval a Revista TPM trouxe na capa a belíssima e nada hipócrita atriz Luana Piovani. Leia aqui a entrevista.

luana

Luana Piovani

 

A escritora Márcia Tiburi declarou para a revista: 

Quando você se vende como um pedaço de carne, você é uma pateta. As mulheres que posam para a Playboy, todas lindas e gostosas, são umas otárias do ponto de vista político. Elas não fazem ideia da relação que isso tem com o fato de a mulher ser rebaixada, ganhar menos que o homem no trabalho”, dispara. Para a escritora, o nu com apelo sexual é a própria linguagem do machismo. “Quem faz isso não tem noção que somos reduzidas ao corpo.”

Perante isso, questionei seriamente a filosofa e até pensei em checar se não tinha sido algo dito em meados dos anos 50 e que estaria por puro engano no meio da reportagem.

 

 

A Nudez pelo Mundo Afora

Será que Márcia Tiburi já saiu do país? Será que ela sabe como é que são as coisas na Alemanha? E na Itália? E na Suécia?

nude 3

Spencer Tunick

A máquina política dos países que citei acima funciona bem melhor do que a brasileira e nesses lugares homens e mulheres lidam com nudez, tenha ela conotação sexual ou não, de uma maneira muito mais esclarecida e natural.

Nesses países não há disparidade no mundo dos negócios – seja ele qual for, exceto na indústria pornográfica onde as mulheres ganham cerca de 4 vezes mais que os homens – e por lá nem homem e nem mulher é desvalorizado por entrar nu em um trem em Berlim ou ter uma sex tape rodando na internet.

nu

Spencer Tunick

nu2

Spencer Tunick

nu3

Spencer Tunick

 

Minha Carne, Minha nudez

Isso de mostrar os peitos, a barriga, os braços, boceta e todo o resto, isso de vender a imagem para uma revista ou para qualquer outro tipo de mídia, isso de fazer topless na praia, isso de querer andar nu (e de graça) não tem nada a ver com politicagem, com desvalorização do ser humano ou qualquer outra bobagem feminista xiita. Tem a ver com liberdade.

O meu corpo é somente meu e o que eu faço ou deixo de fazer com ele é escolha minha.

A carcaça  que vos fala virará pó, mas enquanto houver carne no meu corpo, que é apenas um corpo, vou mostra-lo como melhor me convir.

Afinal, não foram as próprias feministas que queimaram sutiã, como elas adoram falar repetidamente, para que as mulheres de hoje pudessem fazer aquilo que bem entendessem com os seus respectivos corpos?

Pois bem, eu sou um pedaço de carne; sou também um amontoado de ossos rodeado por músculos;  tenho pelos, depilo uns e corto outros por pura questão de estética e higiene; tenho bastante massa cinzenta na minha caixa craniana; sou um animal, um mamífero; mamei nos peitos de mamãe como um bezerro; também sou quadrupede, e sofro de uma severa escoliose, pois minha coluna vertebral não foi projetada para ser sustentada pelos meus pequenos pés.

E você? Você é igual a mim.

A diferença é que eu decidi usar meu Capital Erótico.

197970_10151269467054641_782719955_n

 

A eroticidade esta no espectador: 

Tem gente que se excita quando vê coqueiro, tem gente que acha a magreza extrema super sexy, outros gostam de obesos, também tem gente que fica doida de tesão com uma melancia.

Pessoalmente, não vejo grandes diferenças entre mamilos e cotovelos.

Tem homem que chega ao êxtase só com a imagem dos pés. Deveríamos então não usar nenhum tipo de sapato que mostre a pele do pé? Estou apenas seguindo o raciocínio.

 

Spencer Tunick

 

O Preço da Nudez

Tudo o que é proibido é mais gostoso.

A censura da nudez nos ensina que existe algo de muito precioso por de baixo das roupas e que esse pertence deve ser reservado para uma pessoa especial – o que não deixa, em hipótese alguma, de ser um modo de usar o corpo como moeda.

Outro ponto importante que eu gostaria de ressaltar aqui é que existe uma diferença muito grande entre mostrar e dar, vender a imagem e o produto propriamente dito.

Por exemplo, eu posso ver o yatch do Eike Batista em fotos e vídeos quantas vezes eu quiser, mas o yatch do Eike Batista continuará sendo só dele e de mais ninguém.

 

Não estou dizendo para sair por ai peladão, nem pra você ir posar nua. O que estou dizendo é que não tem nada de errado em tirar a roupa se essa for a sua vontade.

O problema é tirar roupa no Sambódromo e depois dar uma de pudica no Facebook.

 

 

*Spencer Tunick é um fotografo americano conhecido por fotografar aglomerações de pessoas nuas por todo o mundo. Você pode fazer parte das obras dele se inscrevendo em seu site. Quando ele estive passando pelo seu país você será notificado para poder participar da obra.

 

 

 

fotoRebeca20007

 

Por @rebecagalabarof

Curta minha Fanpage!

102 Profanaram Adicionar novo comentário

  1. Anonymous disse:

    Sabias palavras.

  2. ex-vega disse:

    Eu era vegetariano até ouvir isso… vem Luana!!!

  3. Carlooos disse:

    Gosto de pessoas que argumentam com fundamentação. Ainda que discorde, o que não é o caso aqui, prefiro ouvir (ler) bons argumentos que nos permitem refletir e, às vezes, mudar nosso ponto de vista. Muito bom o artigo. Gosto de ver corpos femininos nus, além de sensualidade, também tem a beleza plástica, da suavidade das curvas que não existe em corpos masculinos. é MINHA opinião, MEU gosto pessoal. Me assusta o policiamento que existe em pleno século XXI, que insiste em taxar as pessoas, em censuras e julgamentos, sobre como cada um deve viver sua própria vida, sobre quem pode amar a quem, sobre o que fazer com seu próprio corpo. Cada um deveria se ocupar apenas com suas próprias inibições, sem fazer disso uma cartilha, uma bíblia. Que muda na minha vida se minha vizinha posa nua? Ou se meu vizinho é gay? Ou se o casal que frequenta o clube é adepto de swing? Acho que o direito deles serem felizes é mais importante que o incômodo dos outros, desde que não forcem ou sejam forçados a fazer algo que não querem. Concordo com a atriz. Ponto final.

  4. guetoblaster disse:

    me lembra de “toda nudez será castigada” tão 70´s

  5. Barillo disse:

    Marcelo.

    Belo post cumpade,encerro por aqui,lendo esse bom comentário.

    O maior problema nem é da onde elas tiram a graninha,e sim a padronização,consumismo,banalização.
    Vejam que elas são TODAS IGUAIS!

    E deixa esse povo pensar que não há influência de terceiros nisso.
    Só pensem,INGÊNUOS!

    Flws!

  6. Marcelo disse:

    hahahahahaha… desde o tempo do meu avô, que com sábias palavras explicou: MULHER QUE SAI PELADA EM REVISTA MASCULINA É PUTA!!! Pois a propaganda é a alma do negócio!!! Todas estão mostrando a mercadoria. Se moldam para serem consumidas… compra, carro, apartamento, viaja pra praia e pro exterior, vai nas baldas de roupa, sapatos e bolsa nova, faz plástica, tem bicho estimação que vai todo semana no petshop, come filé, camarão e lagosta, malha todo dia durante o dia. Não é rica, não é filha de rico e não tem profissão definida… explica ai de onde vem o $$$$!!!!

  7. Arnaldo disse:

    Há algum tempo, vi uma entrevista da Ana Paula Padrão em que uma das entrevistadoras era a Marília Gabriela. O tema era a condição das mulheres que são obrigadas a usar burka no Afeganistão. Marília perguntou a Ana Paula se ela não considerava a condição da mulher na sociedade ocidental semelhante à do Oriente Médio, já que muitas aqui se prestam a posar nuas em revistas para satisfazer os desejos masculinos. Ana Paula respondeu que não, pois aqui a mulher tem a liberdade de decidir se quer ou não posar nua, se quer ou não usar um véu no rosto, uma burka ou qualquer outra coisa. Acredito que este é o ponto chave: liberdade.

    Uma sociedade será tão menos machista quanto mais der liberdade às suas mulheres para fazerem o que quiserem, sem amarras e preconceitos. Uma mulher que mostra o seu corpo não é pior nem melhor do que outra que não mostra. Pensar de forma diferente é que parece ser preconceito e retornaremos, assim, a uma situação medieval, como ainda ocorre nos países do Oriente Médio. A mulher deve ter o direito de se mostrar sem roupa, assim como deve ter a liberdade de usar uma burka se assim o desejar e mandar sua consciência, sem que seja julgada por qualquer uma de suas atitudes. No meu ponto de vista, obrigar uma mulher a agir em desconformidade com sua vontade é que é puro machismo.

    Acho até estranha a reação de algumas pessoas em um site como este, já que 99% dos frequentadores deste espaço gostam de nudez e sexo. Até pouco tempo atrás estavam todos vibrando com um concurso onde as internautas mostravam aqui suas fotos sem roupa e agora vão querer atirar pedras nas mulheres que gostam de se sentir desejadas? Esse conservadorismo é perigoso. A Playboy fez um grande favor à humanidade ao inaugurar uma era em que a mulher pode mostrar o seu corpo sem provocar escândalo. E quem não quiser ver mulheres nuas, não veja, ninguém é obrigado a isso. “O sexo virou negócio”? Sim, mas o sexo sempre foi negócio desde que o mundo é mundo. Isso não foi uma invenção do capitalismo, convenhamos.

    • Arnaldo,

      Você não sabe a infinita felicidade que me da ler um comment desses e não é pq vc concorda comigo, ma sim pq vc conhece a História, esta sendo racional e coerente.

      Também fiquei confusa com a reação que observei nos comments, principalmente por conta da vibração que foi tão positiva naquele concurso com fotos pra lá de ginecológicas.

  8. Barillo disse:

    O sexo hoje é o principal método de controle das massas.

    A mídia fica 24hrs por dia enfiando na sua cabeça que você tem que trepar,e o que tem que fazer.

    Porra,vocês estão cegos caralho?
    Acham isso certo?
    A questão não é feminismo,e sim controle de massa,e a mulher hoje é o produto principal!

  9. Barillo disse:

    A alienação é foda,cumpade.

    Sério,em que mundo vocês vivem?
    Não vêem a mídia banalizando tudo à sua volta não?
    Principalmente a mulher?!
    Hoje em dia,até cadavéres de mulheres estão sendo estuprados!
    Tudo já está perdendo a graça,o povo está anestesiado.
    Estamos caminhando para o fundo do poço.

    • HOJE? Querido, vc PRECISA estudar História, sério.

      Lembre-se: vc já deixou mais que claro o seu ponto de vista sobre o assunto aqui no blog. Deixe as outras pessoas se expressarem sem ficar criticando e apontando o dedo. Não é pq vc vê um determinado assunto de um jeito que td mundo tem que concordar com vc. Cada um pensa de um jeito e isso é ótimo.

      A verdadeira obscenidade esta na censura e você esta censurando deliberadamente todo mundo que não pensa como vc.

      Triste

      • Barillo disse:

        Menina,para com isso.

        Eu sei mais sobre História do que qualquer coisa,até coisas que os livros não contam.

        E afirmo que nunca o sexo foi tão banalizado quanto hoje.
        Dos anos 50 pra cá,com o aprimoramento da mídia,o sexo foi sendo preparado para o mercado,e hoje conseguiu.
        Ele é mais um produto.

  10. Vypros disse:

    Eu acho engraçado feministas querendo impor seu modo de ver o mundo a outras mulheres. Como se elas fossem modelos superiores a serem seguidos, ignorando completamente que as outras mulheres têm escolha. Ninguém aponta uma arma pra cabeça das modelos e forçam elas a posarem nuas. Elas o fazem (acredito eu) pelo dinheiro, apesar de que algumas provavelmente também fazem esse tipo de trabalho por vaidade mas penso ser secundário. Esse pessoal deve pensar que estamos nos anos 60 ainda e que tem alguns homens poderosos que tramam dia após dia novas formas de oprimir as mulheres. Por favor, já se foi a época em que se tinha a visão de que mulher era incapaz de produzir conteúdo intelectual, hoje há mais mulheres que homens em faculdades. Tem hora que é necessário deixar de lado esse revanchismo besta e seguir em frente, o mundo mudou, a visão da população mudou.

    • Barillo disse:

      Essas feministas,só não gostam de ver outras mulheres sendo usadas e se transformarem em objetos,por alguns velhos espertalhões,que só visam o lucro.

      E estão certas!

      E agora o argumento de alguns é a modernidade,o tal “mundo moderno”,é a defesa para uma série de indecências e perdas de valores.

      • Vypros disse:

        Mas não cabe a elas decidir se outras pessoas fazem esse tipo de trabalho ou não, elas tem direito de não gostar, se mostrarem insatisfeitas com isso e só. Tentar vilipendiar e rebaixar mulheres que não pensam como elas (coisa que ja cansei de ver no mundo acadêmico) só vai fazer com que o estereótipo de feminista xiita se perpetue. Do mesmo jeito homens também são “usados” nesse mercado, “objetificados” da mesma forma. Comerciais mostrando galãs de novela sem camisa, neguinho posando pro papparazzo depois de sair do BBB, fulando posando pra G Magazine que apesar de visar o público gay também tem mulheres que veem essas revistas. Eu não vejo ninguém querendo “defendê-los de si mesmos”, então por que achar que mulheres tem que ser protegidas? São incapazes de raciocinar ou pensar nas consequências de seus atos? Não. São adultos, que fazem suas próprias escolhas e creio eu que sabem muito bem que junto com elas, há outras pessoas que lucram com esse mercado, que só existe por que tem quem pague pra ver esse tipo de coisa.

        Não sou contra valores familiares se é o que pensa, qualquer pai que ama seus filhos gostaria de vê-los bem, em um bom emprego sendo donos de si e é responsabilidade deles e somente deles criá-los e passar bons valores que os façam boas pessoas, empáticas em relação aos outros, mas o campo de ação termina ai. Não digo que tudo que é “muderno” deve ser abraçado sem questionamento, valores como respeito mútuo deve ser universal pra uma sociedade saudável não importa a época, mas dizer para os outros o que devem fazer é contraprodutivo. Não vou nem entrar no mérito sobre se este tipo de trabalho é indecente ou não, pois não cabe a mim julgar quem o faz, se há quem pense assim que evite este tipo de material.

    • Vivi disse:

      Puta vida Vypros, onde eu assino? Exatamente, você foi no ponto exato: com o feminismo, direitos iguais, deveríamos ter o direito de escolha, certo? Mas, sei lá, pensa em uma mulher que opta por parar de trabalhar pra criar os filhos. Ela tem todo o direito de fazer isso, contanto que seu companheiro esteja de acordo, não? É justamente isso que é legal: eu posso escolher. A mulher pode optar por ter uma carreira que envolva ensaios pra Playboy e afins, como também pode optar por ser empresário, e tudo bem, é a liberdade de escolha que contam. Essas ‘feministas’ (que usam o nome ‘feminismo’ pra serem tão ignorantes e cegas como os piores homens machistas) falam essas bobagens e é aí que surgem pérolas como: a mulher não pode transar 4 porque isso é um sinal de submissão ao homem. Poupem-me, né? Eu acho impressionante muitas pessoas estudadas, com o mínimo de bom senso, caírem em papos desse tipo. Legal ver alguém pensando parecido comigo.

      • Barillo disse:

        Vypros.
        As vezes,as feministas passam mesmo do limite,mas elas não querem impor uma certa obrigação à outras mulheres,e sim alertar sobre os perigos da banalização do sexo e do corpo feminino.
        E sobre o que isso pode acarretar não só perdas de valores,mas principalmente a violência contra a mulher!

      • Vypros disse:

        Eu digo impor pois ja conversei com feministas, ja li blogs escritos por feministas e se uma mulher ou homem não concorda com seus pontos de vista a mulher é submissa, ignorante e cega e o homem é só um “advogado da cultura do estupro e perpetuador do patriarcado”. Desqualificar uma ideia oposta a sua é tentar impor o seu ponto de vista e é isso o que aconteceu na maioria das vezes que tentei um diálogo com um/uma. A Vivi citou algo interessante, tem feministas que pensam que o simples fato de um homem transar com uma mulher perpetua a dominação da mulher, pois o homem invade o corpo da mulher através da penetração e simbólicamente deixa a mensagem de que agora a mulher é dele e que pra que isso não aconteça mais, todas as mulheres devem ser lésbicas como se isso fosse uma escolha. Advinha como são qualificados quem não concorda seja homem ou mulher?

        Eu imaginava que a questão da violência contra mulher fosse chegar, mas não vejo relação de causa/efeito entre a liberação de pornografia/conteúdo erótico e aumento do número de casos de violência contra a mulher. Na Índia a pornografia é proibida e ainda assim é um dos países onde mais há casos de estupro no mundo. A pouco tempo li um estudo que ligava a popularização da pornografia e a diminuição dos casos de estupro nos EUA, infelizmente não consegui achá-lo pra te mostrar, mas fica ai a dica se quiser procurar. Não digo que é algo conclusivo, mas é o suficiente pra pensar duas vezes antes de recorrer a políticas de proibição de tal material.

      • Vypros disse:

        Eu vi sim, triste demais pensar que algo assim acontece diariamente. Penso que o que mais influência nesses casos é a cultura e educação da população.

        A pouco tempo vi um documentário sobre como o feminismo foi bem sucedido na Suécia e como a violência contra a mulher era tratada por lá. Bom os casos de violência na Suécia não tiveram uma queda drástica, mas na Noruega que tem uma cultura semelhante, através de uma política de orientação Psicológica a homens que ja cometeram violência contra a mulher, a queda nos casos foi vertiginosa, pois os principais agravantes como alcoolismo, insatisfação com o trabalho e até psicopatologias foram identificadas na população masculina e tratadas ao mesmo tempo que as mulheres vítimas também recebiam todo o apoio necessário. A diferença nas políticas públicas foi crucial na diferença dos resultados.
        Não achei o documentário, mas eu vi no Youtube legendado, é sobre a organização feminista ROKS e como ela se infiltrou no governo sueco e influencia políticas públicas. O documentário aliás foi banido na Suécia.

        Bom, o estudo que citei na verdade eram 2, achei só um deles, só que está em inglês:
        http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=913013

      • Barillo disse:

        A Índia tem uma cultura bem sexual sim,sabe oque é kamasutra?
        E lá também há muitos homens ignorantes,o que é outro problema.

        E nos EUA,a mulher sofre também.
        O Exército Americano esconde muitos estupros dentro dele,principalmente por oficiais.

        Na verdade,lá tem coisa bem pior que estupros…

        • isso!Em tds as culturas tem coisas horríveis.

          Ao meu ver o pior do pior acontece no Vaticano e em outros lugares onde a sexualidade é reprimida ao máximo.

          Coisas piores que o estupro acontecem em tds os lugares todos os dias, mas não é o ponto.

      • Vypros disse:

        Li o texto e é bem isso que uns Suecos que postam no 4chan e em alguns blogs ja relataram. É bom que fica de aviso quem achar que vai la e se dar bem com as loirinhas na verdade vai ser tratado como cidadão de segunda classe só por ser homem.

        Seria legal se tu fizesse um texto sobre suas impressões sobre isso ja que é interessante ouvir de alguém que realmente esteve lá.

        Medo de algo assim acontecer por aqui.

      • Barillo disse:

        Não acho que ninguém tenha que reprimir a sexualidade dos outros não.

        Só que as pessoas não sabem ser 8 e nem 80…

        Essa sexualidade nem é comandada pelas próprias pessoas.
        A mídia que ditas regras,e a mídia que induz as pessoas.
        Quer dizer,será que uma coisa manipulada,é certa?

        E ela não quer uma sexualidade saudável e nem uma nudez natural não,a mídia quer banalização,ela quer orgias entre o povo,ela quer que o povo se anestesie…
        Quer a mulher em uma vitrine,como bonequinha sexual.

        E eu quero deixar claro,eu não apóio grupos feministas não.
        Muito pelo contrário.
        Mas essa manipulação em massa é muito pior que qualquer grupinho feminista.
        Aí daqui a pouco,quando estivermos em um mundo de lambanças,não vai ter para onde correr,quando todas as mulheres estiverem parecendo,não uma Luana Piovani como vocês estão sonhando,mas uma Valesca Popozuda ou pior!

        • Já contou quantas vezes vc usou a palavra “mídia” só aqui nos comments desse meu post?

          Meu amigo, a carne é minha e eu faço dela o que eu quiser.
          A mídia não teve nada a ver com a minha escolha de sair nua em vários sites, revistas e etc (acredito que faço da minha voz a voz de muitas mulheres e homens tb).
          Foi e ainda é justamente o contrário: a mídia ensina a maioria, que é por unanimidade burra, que sexo é feio, que porra na cara é nojento, que dar o cu é coisa de gay, que mulher que sai pelada na internet é puta e por ai vai…

          Você pode falar o que vc quiser aqui defendendo sei la o que, e cá pra mim, vc nem sabe mais o que pensa – teu fetiche é rebater.

          Para de pensar na mídia e vá viver a sua vida como se ninguém estivesse te assistindo – ninguem esta – pois eu te garanto que ela [a mídia] não esta pensando em vc.

      • Barillo disse:

        Aleluia!

        Tem idéia de quanto tempo eu tive que estudar para escapar das garras da mídia?!
        Quantos livros eu li sobre isso?

        Com certeza,eu li em um dia mais do que você leu a vida toda….

        E tenha certeza,que ela nunca mais vai fazer parte da minha vida!

        Bom,essa é a minha deixa.

        Bjss e xau,xau!

      • Vypros disse:

        Barillo você estava citando a influência da mídia sobre o que as pessoas pensam sobre sexo por isso citei Índia e a proibição da pornografia por la. Sexo para os indianos era encarado com muito mais normalidade que no ocidente, no hinduísmo é algo sagrado principalmente dentro do Tantra. É cultural, sexualidade por lá ja era debatida milênios antes do surgimento de mídia de massa. É um equivoco citar isso como uma das causas do número de estupros.

        No nosso caso até concordo que muitas vezes sexo é permeado por uma aura de artificialidade, mas penso que isso é um período de transição pra que o assunto seja tratado com mais naturalidade.

        Diferentes formas de influenciar a massa foram usadas na nossa história: religião, música, ideologias de direita e esquerda. Em períodos como na idade média onde homem e mulher tinham que se dobrar à vontade de poderosos pra não ir pra fogueira/forca, ideologia era fundamental nessa equação.
        Hoje, no final, a decisão de seguir essas influências ou não é de cada um de nós. Temos escolha. Responsabilidade individual tem um papel fundamental na vida das pessoas.

  11. Cachorro de Rua disse:

    EIs o problema das pessoas e de muitas “feministas”:
    Encaram a nudez não como tipo de arte (a nudez bem feita, contemplativa), mas como pura pornografia, o que no final, implica num preconceito descabido e até hipócrita. Me lembro da vez em que disse para uma amiga que gostaria de reproduzir um desenho, nu artístico (e bem desenhado, diga-se de passagem), ela achou uma tremenda falta de respeito, e no entanto não veria problema algum em pousar para uma revista.
    E achar que a nudez como arte vai diminuir a sua importância na sociedade. Pode diminuir? Depende da forma como você o faz e encara isso, a mudança dos olhares deve partir da própria pessoa. Mas, é bom lembrar que vivemos em sociedade e existem regras, como a da ação e reação: se você faz algo, aguenta as consequências. Se você posa ou fica nu, saiba ter desenvoltura para encarar críticas, não apenas elogios.
    A propósito, o charme da nudez é justamente isso: descoberta, admirar o que geralmente se vê sob panos.
    Que chato seria se todo mundo andasse nu… seria uma merda, sem graça. E não é porque todo mundo nasce pelado que todos deveriam andar descobertos (se é assim, todos deveriam cagar, mijar e vomitar onde e quando bem quisesse porque todo mundo aqui foi bebê e fez isso^^).

  12. Barillo disse:

    Lembrando que isso não tem nada a ver com “censura”.

    Só que quando você posta algo,polêmico ou não,você tem que estar sujeito aos comentários.
    Coisa que pelo visto,você não está preparada para aceitar,menina.
    Principalmente uma “pérola” dessas,as críticas virão em peso.

    Dica:
    Aguente!

    • Guri, vc não precisa desrespeitar ninguém para dizer aquilo que você pensa.

      Não vejo problema nenhum em vc não gostar de mim ou dos meus textos, vejo problema em vc ser desrespeitoso, grosseiro, rude… só isso.

      Paz e amor, cara

      • Barillo. disse:

        Eu,fui rude?

        Será mesmo?

        Como eu disse antes,achei esse blog sexta,e só fiquei porque te achei interessante.
        Só critiquei certos pontos no seus argumentos.

        E omiti o fato de que esse artigo é um verdadeiro desastre!

        Tentei e estou tentando ser o menos rude possivel e por respeito à você.

        ……

        • vc fala com uma certa autoridade rude sim, eu tb sou assim.

          esse texto bobinho pode ser um total desastre pra vc, mas acho que ele foi muito bem recebido por várias pessoas.

          e se, aos seus olhos, o texto foi infeliz… pelo menos prendi a sua atenção por um certo tempo. e pra mim isso já esta valido. ;)

  13. Fla disse:

    Realmente, vc está equivocada em “misturar” dois conceitos. Leia mais sobre a evolução da estética artística do corpo e sobre indústria cultural para poder ter o mínimo de autoridade para falar sobre um assunto que vc pelo jeito desconhece.

  14. dany disse:

    Quanta gente hipócrita, o dia que eu acordar e ver que as pessoas banalizaram a nudez, vai ser um dos dias mais felizes da minha vida. As pessoas não se dão conta que esse pudor é imposto pela sociedade, todos nós somos iguais, nascemos pelados etc…

    Ps: Também sou filósofa.

    • ah, que gostoso ler isso de alguem que estuda ou estudou o mesmo que eu. vc é da onde?

    • Barillo disse:

      Não dá mais para banalizar a nudez natural,que é bonita mesmo.
      Vivemos em um mundo em que as massas só pensam em sexo.

      Aí,teríamos orgias 24hrs por dia.

      Teríamos um bando de pessoas babacas vagando pelas ruas,perderíamos todos os nossos valores importantes.
      Teríamos um mundo de vadiagem alienante.

  15. Kenny disse:

    Aí depois é estuprada ou tem um ácido na cara, e não sabe porque.

  16. xxxxxxx disse:

    Para quê ficar expondo o corpo nu, seja de que maneira for, afinal?
    Tanto no Brasil, EUA, Suécia, Alemanha ou seja lá onde for, a exposição do corpo nu (principalmente para se ganhar dinheiro) não passa de vaidade fútil e pecaminosa.
    Se o Ocidente não se arrepende dessas práticas pela fé cristã, não tardará que será
    forçado quando a maioria muçulmana, que já dá claros avanços pelas zoropa e EUA, impor a
    lei islâmica as tão liberais feministas. É questão de tempo!
    Saled Yossef

  17. guilherme disse:

    Eu não acredito que no que li nos dois comentários abaixo. Provavelmente esses sujeitos querem a volta da censura.
    O que foi apontado pelo artigo da Rebeca é a liberdade das mulheres de decidirem o que fazer com seus corpos. O poder de utilizar como instrumento de trabalho.
    É muita estupidez e arrogância tentar impedir uma pessoa de se expressar ou mostrar seu corpo sobre a premissa do que é ou não adequado moralmente.
    Se vocês não gostam, não olhem, se uma mulher nua ofende vocês, se afastem, se a religião de vocês diz que isso é inadequado, exerçam a tolerância. Agora usar a repressão, ou desrespeitar ou desmerecer uma mulher que decide expor-se é triste, violento e medieval.
    Não esqueçam, “é proibido proibir”…

  18. carol disse:

    Sinceramente.

    Acho que a imagem política não é o mais relevante aqui. O que a Tiburi esqueceu de mencionar, e você também, é que a grande maioria, dessas mulheres, faz um pé de meia fantástico posando nuas. Portanto, elas estão pouco se lixando para declarações feministas. As que não precisam do dinheiro fazem pelo simples fato de que podem, tem corpos fantásticos e querem mostrá-lo, porque é delas. E ninguém tem nada que ver com isso.

  19. Barillo disse:

    Kkkkkkk.

    Menina,você tá perdidaça…

    A Márcia Tiburi,apesar de provalmente ser uma daquelas encalhadonas,está certíssima.

    Uma coisa é a nudez natural,o que nenhuma revista mostra.
    Outra é a nudez erótica,feita para lucrar com os babacas,e expor a mulher ao máximo.

    Pense antes de publicar algo.

    • anotado!
      nudez erótica = ruim

      viu, gente? é feio isso de mostrar a boceta, ta?
      e quem consome é babaca!

      esse moço tava aqui no sweetlicious brincando de homebroker, pq né…?

    • Andre disse:

      Boiolinha…

      …se não gosta de mulher pelada, você não é normal. Homem que é homem gosta de mulher pelada e a mulher que quiser lucrar com isto é muito esperta, pois está aproveitando de um instinto normal e muito sadio dos homens.

      • Barillo disse:

        Quem é tu,inútil?

        Só porque eu não pago pau pra revistinhas pornô,não quer dizer que eu não seja homem.

        É por pensamentos iguais aos seus que esse mundo está assim e vai piorar e muito,que a violência contra a mulher e a banalização do sexo só aumentam,e o respeito pelo próximo só diminui.

    • é Barillo, ditar pros outros o que é certo e o que e errado é a solução dos problemas da humanidade.

      vc anda perguntando bastante “quem é vc” aqui no blog… pq vc não conta pra gente quem você é. vai ser divertido, sem duvida!

  20. Tá aqui o link pra um vídeo que eu acho que todo mundo deveria ver:
    http://www.youtube.com/watch?v=656vu0qxVFE

  21. bruno disse:

    Texto de muito mal gosto que não contempla e, muito menos, rebate o dito pela filósofa de modo argumentativo lógico. A idealização de “local perfeito pra ficar pelado” (minhas palavras. Foi basicamente essa ideia que me veio após ler o que voce escreveu. Talvez não seja essa ideia a ser passada, mas foi essa que me veio) feita por voce dos países citados beira o ridículo e faz com que voce mesma se enquadre na estatistica que, como voce mesma disse: “1) 72,4% das porcentagens são inventadas na hora.”, soa bastante infantil e me remete a pensar na moça que comenta as notícias no jornal do SBT com opiniões completamente fora do conceito da pesquisa e simplesmente jogadas ao vento com o intuito de que sejam respiradas e bem aceitas (sua grande preocupação em discutir com o comentaristas deste post demonstra isso e, mais: demonstra que a discussão e sua opinião, em suma, nada acrescentam ao pseudo-debate com a filósofa, já que numa análise a grosso modo pelos comentários percebe-se que muitos dos leitores sequer entenderam seu ponto, assim como eu) por uma camada de leitores que simplesmente abane o rabo e concorde com o que uma espécie de musa com voz diz na internet (local, aliás, onde comprovo diariamente minha tese de que a mídia perdeu – há muito – o compromisso com o bem informar e passou a dedicar-se exclusivamente ao bem incentivar – geralmente a coisas de resultados não satisfatórios pra sociedade). Peço, assim como o leitor Dré, que me encare como crítico construtivo e, por favor, se possível, me responda algumas perguntas que ficaram em branco quando da sua resposta:

    1) Por que não explicitar o uso da segunda parte da fala da filósofa na entrevista como embasamento [distorcido e extremista] pro seu argumento? Tornaria o que voce disse estupidez ou tiraria a quase genialidade de tudo o que voce escreveu?
    2) Quando voce cita “usar o corpo como moeda” e ressalta as diferenças entre “mostrar e dar” citando o exemplo do Bem do Eike Batista, voce tem certeza que voce não passa a imagem de que o “produto exposto é pra ser vendido”? Voce só põe na prateleira algo que quer vender, estou correto?
    3) Quando voce utiliza: “Não estou dizendo para sair por ai peladão, nem pra você ir posar nua. O que estou dizendo é que não tem nada de errado em tirar a roupa se essa for a sua vontade”, voce esquece das amarras éticas em que qualquer sociedade vive. Fugir dessas amarras é, a grosso modo (tem muita gente na filosofia americana que pode confirmar – não como verdade absoluta, óbvio – isso, hehe), voltar ao estado de natureza onde o homem é pelo homem e as regras são completamente suscetíveis às vontades e aos desejos, tornando a sociedade um emaranhado de caos, onde as leis da natureza prevalecerão (tá, o drama aqui foi demais, mas é uma consequencia). Voce acha, realmente, que eu posso (medindo as consequencias do que me fará bem agora e posteriormente) fazer absolutamente tudo o que eu quiser, somente porque me deu vontade?

    P.S: To com um problema com o acento circunflexo no meu teclado, por isso, peço desculpas pelo não uso do mesmo durante a escrita.

    • 1)“Quem faz isso não tem noção que somos reduzidas ao corpo.” é à isso que vc refere? acredito que eu tenha falado sobre isso, mas td bem repetir o óbvio: eu sou um corpo carnal e vc tb é um. ter medo disso é meio assustador.
      Não é pq vc vende a sua imagem nua e com conotação sexual que vc esta se reduzindo. Estaria me reduzindo se eu me calasse e não dissesse o que eu penso.

      2)Eu não cito, eu digo. Todo produto exposto é pra ser vendido e/ou promovido. A minha imagem, por exemplo, é um produto (nua, vestida, com ou sem conotação sexual). Quando vc consome a minha imagem, vc consome apenas a minha imagem e o que ela representa, não a mim. Entende a diferença?

      3)Essas amarras éticas não se aplicam a qualquer sociedade como vc disse muito erroneamente.
      O que significa isso que eu disse “Não estou dizendo para sair por ai peladão, nem pra você ir posar nua. O que estou dizendo é que não tem nada de errado em tirar a roupa se essa for a sua vontade”?
      Significa que meu texto não é uma apologia a nudez pública, proibida no Brasil.
      Meu simples texto diz que se a sua vontade for a de ficar nu, você pode e deve fazer isso, não importa se o motivo for sair numa revista, ou ir a uma praia naturalista.
      Ninguém, além de você, tem nada a ver com o que vc faz com o seu corpo.
      Em momento algum eu disse pra alguém quebrar a lei. Em alguns países existem locais onde vc pode caminhar nu numa boa em lugares públicos e semi-públicos, inclusive nesse momento estão rolando diversas passeatas em São Francisco/CA para recuperarem esse direito que foi recentemente banido.

      Esse texto, entretanto, não tem nada a ver com a nudez publica, mas sim com o direito de cada um de fazer com o seu próprio corpo aquilo que eu quiser, independentemente do sexo. E que essa escolha não tem nada a ver com política ou com desvalorização da mulher ou do homem. Só isso.

      O homem já é pelo homem (quanto mais caro o terno, mais medieval a coisa fica); as regras sempre foram completamente suscetíveis e ditadas pelas vontades e os desejos humanos; a sociedade é um emaranhado de caos e as leias da natureza prevalecerão.

      Eu realmente penso que nós somos animais e que coisas horríveis acontecem quando tentamos negar isso.
      A verdadeira obscenidade da humanidade é a criatura X tentar provar que é melhor, mais humano, mais civilizado, com um deus melhor que a criatura Y.
      Acredito sim que seriamos mais felizes se fizéssemos o que temos vontade de fazer, acredito tb que deixamos de fazer (inventa uma porcentagem grande ai) por medo da reprovação alheia e isso é triste pra caralho.

      P.s.: meu texto não é um debate, mas sim a minha humilde opinião pessoal de algo que uma outra pessoa disse (estou constitucionalmente livre pra fazer isso, pelo menos por enquanto).

      Tem algo que te ofenda no meu texto que não é jornalistico? Se sim, recomendo que vc não leia as minhas verborreias e que qndo vc ver a tal moça imbecil no SBT, você mude de canal.

      • bruno disse:

        Vou te responder (mesmo sem respostas ao que eu propus que me voce me respondesse) de modo simples e direto:

        1) Não, não falo da parte em que voce se baseou (e até colou, olha que gentil) ao escrever seu texto e sim da parte das falas da autora que voce omitiu ou fez questão de não mostrar no seu texto, dando a entender que a opinião da criticada (aqui no tópico) Márcia Tiburi era reacionária e machista (ainda não ficou claro qual das situações se encaixa melhor com seu texto completo + comentários).

        2) Por fora daquela imagem voce acredita, então, que não há um ser (humano concreto e em extremo potencial e dotado de sentimentos). E sim um não-ser (cópia, imagem) que reduz-se meramente a uma cópia do indivíduo verdadeiro (voce) que se empresta automaticamente para que aquela imagem (boa ou não. A sua muito boa, diga-se de passagem) seja vendida sozinha e nada de físico ou de almejado resulte dela (falo de: “vou bater punheta pra essa foto da Rebeca – imagem – , tenho tanto desejo nela que quando (se) a ver, posso tentar come-la – físico). Me pergunto se em seus relacionamentos concretos, carnais, sexuais mesmo, voce já se perguntou o quanto essa sua imagem (meramente ilustrativa e vendável que voce citou no ítem 2) influenciou na relação.

        3) A ética se aplica a qualquer sociedade, sim. O que não se aplica é a moral (ou moralina, como o próprio FREDERICO NITI dizia), que é mutável de sociedade em sociedade e faz com que valores éticos comuns se transformem (e ai, voce pode me apontar as distinções de aceitação de sociedade para sociedade. Tolerancia, intolerancia… tanto faz) e tenham conotações diferentes em cada contexto social inserido.

        Lhe deixo livre, com mais algumas perguntas:

        4) Como essa questão não tem nada a ver com política? Citamos ética, moral, vontade, desejo, leis, atribuimos valores a pessoas… como isso não é política?

        Não tem nada em seu texto que me ofenda, acho que ficou claro que só quero seus ideais e pensamentos em panos limpos (não com o intuito de “ah, vou procurar uma coisa no texto que eu não goste e criticar”, como voce citou em um comentário abaixo) e que eles se abram e se explanem pros demais que estão ali. Seu texto não é jornalístico? Qual a finalidade do seu texto se não expor opinião embasada em argumento previamente analisado? Seu texto não é um debate? E pra que ele serve, afinal? Se voce não esperar ser rebatida ou aceitar concordancia com suas ideias, voce não deve escrever um texto que emite opiniões (e pode gerar outras opiniões contrárias) e sim um período simples, em que um fato é exposto e noticiado.
        Afinal de contas, entenda: Opinião 1 (Tiburi) + Opinião 2 (Rebeca) = Debate (defesa da OP1 x defesa da OP2 ou até refutação das duas opiniões).

      • Eu aprecio essa troca que estamos tendo.
        Honestamente eu nao sei se eu estou te entendendo, pq ao meu ver eu respondi td o que vc perguntou.
        Talvez se vc reformular as perguntas com outras palavras, consiga te compreender e responder as suas perguntas de um modo mais completo.

        1) A declaração da Márcia Tiburi foi extraída desta fonte aqui, ó http://revistatpm.uol.com.br/revista/128/reportagens/nudez.html
        Não sei qual foi a continuidade ou o que ela disse antes disso, se vc souber, por favor, compartilhe!

        2)Sigo uma doutrina na qual acreditamos que temos 7 corpos e que tds eles tem o mesmo grau de importância. Eu não disse em momento algum que é só o corpo físico que importa, eu só disse que não tem problema algum em usar o corpo físico pra se expressar artisticamente, politicamente, sexualmente, inlectualmente e etc.
        Meus relacionamentos pessoais e amorosos são quase sempre um desestre, mas o que posso te dizer é que meu ex namorado me conheceu no primeiro colegial e ficamos juntos até poucos meses atras – ele me conheceu, portanto, antes de eu usar o meu corpo como uma das minhas principais ferramentas de trabalho e a maioria dos meus vídeos e fotos que vc pode encontrar na internet, foi ele quem fez.

        Agora pense num médico, a profissão dele interfere nos relacionamentos dele. Correto?
        Isso acontece em tds as áreas, é muito utópico dizermos que podemos escapar disso.

        3)Essa ética não se aplica a todas sociedades, não. muito menos a moralidades. Posso passar horas dizendo como o sexo, a nudez e td e tal são diferentes de um país para outro (btw esse é o meu projeto monstro).

        4) Eu realmente não acredito que o fato de uma mulher posar nua pra Playboy reduza o salário das outras mulheres. Penso que uma coisa não tem nada ver com a outra.

        O que é um texto jornalistico?
        No texto jornalístico narra-se de modo objetivo os acontecimentos.
        São textos de caráter informativo, o objetivo é transmitir informaçoes sem deixar transparecer a opinião pessoal do autor.
        Teoricamente, para um texto ser caracterizado como jornalistico deve haver a isenção pessoal do autor, tem que ser imparcial.

        Acredito que essas cateterística não se aplicam ao meu texto pessoal que esta repleto de minhas opiniões parciais.

        Meu texto é pra contar para vc, leitor, o que eu penso e sinto. Simples assim.
        Você pode gostar ou não. Sua opinião será sempre bem-vinda desde que não seja desrespeitosa.

        Seria um debate se a Márcia Tiburi estivesse aqui rebatendo o meu texto, mas como vc pode ver, não é o caso.

        Estou papeando, portanto com os leitores do meu texto nada jornalistico, fico feliz da vida quando curtem o que eu escrevo e concordam comigo. fico feliz tb quando alguém me questiona com educação e tenho td o prazer do mundo em responder.

        Sinto muito se eu não tenha compreendido as suas perguntas e não tenha respondido do modo como vc esperava, mas podemos continuar nosso papo numa boa.

        um beijo!

  22. RafaFire disse:

    Vc sempre quebrando td com sua opinião moderna e nem um pouco hipócrita, e o melhor, longe de ser feminista, machista ou xiita como vc mesma disse, parabéns, pena vc ser parte de uma minoria Rebeca.

    • muito obrigada, rafa! é muito bacana pra mim quando eu sinto que alguém leu o que eu escrevi desmunido e não procurando alguma coisa, tipo… como que eu vou criticar essa bosta aqui. :)

      beijao

      • RafaFire disse:

        imagina, mulheres com inteligencia independente (aquela criada por si mesma) devem ser cultivadas ….. quisera eu que a minha tivesse uma cabeça feito a sua, infelizmente ela pensa como a maioria ……… continue assim vc escreve muito bem e eu adoro suas opiniões

  23. Daniel disse:

    Cara que hipocrisia!
    Num acredito que tem gente que entra nesse site e critica esse tipo de opinião!

    Espontaneidade é tudo!
    Seria bom se todo mundo fosse bem resolvido assim.

    Parabéns pelo post. Lindo!

  24. dré disse:

    Olha, eu li todo o texto de novo duas vezes, li a entrevista da Piovani e reli os comentários…

    Estou achando dificil de acreditar que você realmente refletiu sobre o que a mulher no começo do texto disse, parece que você só ficou ofendida e quis mostrar como você enxerga a nudez (o que não tem nada a ver com o que a mulher disse), falar de bagagem intelectual não significa nada se você não argumenta, acho que você simplifica demais as coisas, e de maneira pouco abrangente, incluindo só suas próprias experiencias… (Estou me referindo aos comentários, não ao texto)

    Não digo nada disso pra te ofender ou qualquer outra coisa negativa, encare apenas como pontos em que você pode evoluir, eu sei muito bem que seu trabalho no sweet é postar sua opinião, você trabalha com nudez, é óbvio que vai defendê-la e isso é um direito seu, mas como disse, acho seus comentários simplistas, suas comparações são meio fracas, sei lá… falta algo… o comentário dos sutiãs e as feministas por exemplo, achei bem infeliz… novamente, encare como uma critica construtiva, eu sou só um rapaz de 18 anos… acostumei às pessoas encararem um clima de guerra em tudo, principalmente quando falo minha opinião… não precisa fazer isso comigo, responda minha critica como achar melhor (desde com respeito, claro). Abraços, e continue falando sua opinião sem se importar com represálias. =D

    • Pô, meu! óbvio que eu fiquei ofendida e não ta claro que eu só quis defender o emu ponto de vista sobre o assunto?

      Você tem o TOTAL direito de comentar aquilo vc bem entender! Sempre faça isso, por favor!

      Eu não curto ficar expressando minhas experiencias pessoais aqui por medo de soar pedante e por não querer me prolongar muito. mas dá uma olhada nesse link aqui e dê mais uma vasculhada na opinião de outras pessoas a respeito do assunto na net que isso só vai fortalecer a sua bagagem.

      http://papodehomem.com.br/a-nudez-nao-precisa-ser-sexual/

      beijos

  25. Diego F disse:

    O maior problema e o falso moralismo não so no brasil, mas no mundo, ligado a religião politica e cultural.

    Gostei do texto concordo em sua maioria, parabéns”

  26. Barillo disse:

    Faz isso não….

    Aí você quer destruir o que sobrou de bom da mente das pessoas,e propagar a alienação.

    Para cada atriz de TV posando nua em revistinhas,tem um bando de velhos ricos de terno,rindo delas e tendo a certeza de que são mesmo apenas pedaços de carne.

    • O que sobrou de bom na mente das pessoas? alienação?

      eu sou um pedaço de carne e vc tb é! graças a deus! fique preocupado com quem diz o contrário!

      Você não sabe a importância que tem uma atriz tipo a Marisa Orth posar nua Super respeito quem não é afim, mas isso é de ada um para cada um. isso não rebaixa ninguém.

      Sabe o que rebaixa alguém? Posar de tetei em fileira com bunda empinada no facebook pagando de boa moça, dançar naldo euquero tchu eu quero tcha!
      Isso sim é vergonhoso.

      Ser senador é se rebaixar, deixar de fazer alguma coisa que vc queira fazer por medo do que os outros vão pensar é se rebaixar.

      • Barillo disse:

        Vixi menina.

        Achei seus posts interessantes,apesar de que esse agora foi triste…

        Nós homens e mulheres somos mais que “pedaços de carne”.

        Quando você se deixa virar um “pedaço de carne”,você perde totalmente seu valor,vira só um brinquedinho descartável.

        Vai por mim,isso é deprimente.

      • é muito óbvio que somos todos muito mais do que um pedaço de carne, mas em algum momento eu disse que eramos apenas um pedaço de carne?

  27. Leandro disse:

    Moça, você é machista e o seu argumento libertário não se sustenta perante as relações políticas sobre as quais você demonstra ignorância, as mesmas que, em última instância, regem as relações de valor, que é o segundo ponto de apoio de seu argumento, tão frágil quanto o primeiro. Lamento, mas bradar desse jeito sem real conhecimento sobre os temas que aborda, pode ser popular entre os leigos, mas não passa do senso comum.

    • Fofucho,

      Lamento por você ser leviano e me dizer todas essas coisas sem saber qual a minha formação acadêmica, minha bagagem e meu conhecimento empírico.

      Se pensar que tanto mulheres como homens tem o direito de fazer aquilo o que bem entenderem com seus respectivos corpos desde que isso não machuque o próximo, entao sim… eu sou machista!
      Machista… nossa que palavra feia, né? Não pode! Muito feio!

      Agora, me explica, como eu poderia não ter real conhecimento sendo que eu trabalho com a nudez?

      • c1990 disse:

        Nossa que texto mais infeliz.

        Voce não entendeu que o que a escritora quis dizer foi a igualdade de moral do homem e da mulher frente à essas situações. E voce sim é um pedaço de carne, primeiro por não achar que isso é uma ofensa, e segundo por não ver diferença em homens e mulheres no nosso mundo.

        Quem compra uma revista playboy fica a critério dele a eroticidade? hahahaha faça meu favor. E quem é o publico alvo de revistas de nu masculino? mulheres? ou não seriam gays? Pense um pouco.

  28. Diorgenes disse:

    Só discordo do seu texto quando você diz: “Nesses países não há disparidade no mundo dos negócios”. Homens continuam ganhando mais do que as mulheres para realizar a mesmíssima atividade ao redor do mundo. A disparidade pode até ser maior em democracias menos consolidadas como a brasileira, mas diferença há em todo o canto, exceto na indústria pornô (hehehe), onde as mulheres levam sempre vantagem. De resto, acho texto perfeito. Parabéns!

    • Obrigada!

      Eu fiquei bastante tempo fora e convivi com gente que trabalha em altos cargos de empresas de grande porte até gente que trabalhava no mcdonalds.
      Deve ainda existir disparidade sim, mas é bem bem pequena. E garanto: uma mulher posando nua não interfere em nada na diferença de salário de uma empresa. Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

  29. [...] inesperadas no sexo: como se comportar As Biritas – Como fazer uma ótima espanhola Sweetlicious – Eu Sou um Pedaço de Carne A Pimentinha e suas Coisas – Aquele da [...]

  30. Marcelo disse:

    Rebeca, muito legal a postagem. Concordo com quase tudo o que disse.
    Mas forçou bastante a barra dizendo:

    “[...] e por lá nem homem e nem mulher é desvalorizado por entrar nu em um trem em Berlim ou ter uma sex tape rodando na internet.”

    Morei em Berlin. Não estereotipe tanto assim achando que a sociedade é tão “evoluida” que chega ao ponto de ser indiferente a este tipo de coisa.
    Tratam da nudez com mais naturalidade, porém, achar que entrar em um trem pelado ou ser ator porno e achar que não será julgado é forçar demais.

  31. Alex disse:

    É bom separar alhos de bugalhos… Uma coisa é dizer que se defende a liberdade do corpo, das livres relações sexuais, de contestar o machismo, etc. Outra coisa é dizer que a mercantilização do corpo é esse caminho para a libertação.

    Quando se olha para uma revista masculina, não podemos dissociar as fotos de nudez de todo o conteúdo das revistas, que em geral são muito machistas!

    Eu sou favorável à nudez, à liberdade dos corpos decidirem e mandarem em si mesmos. Spencer Tunick e Playboy são coisas completamente diferentes. Para Spencer Tunick não existe um padrão estético imposto. e para as revistas masculinas (inclusive a trip?)

    Minha companheira, por exemplo, não segue os padrões estéticos de mercado. Ainda assim sinto o maior tesão por ela. Porque mais do que a bunda dela, me interessa sua cabeça, sua pele na minha e como isso combina! Suas atitudes na cama são mais importantes que sua casca, como vc falou.

    Mais importante do que capital sexual para mim é o “amor livre” e livre das relações financeiras; Te recomendo o livro “A nova mulher e a moral sexual” de Alexandra Kollontai.

    Beijos!

  32. Kátia disse:

    Marcia Tiburi parece camuflar muitas limitações / traumas / whatever com discursos feministas, às vezes (apesar de concordar em muitos momentos com ela). Isso ficou claro pra mim uma vez em que ela falava no Saia Justa sobre algo e se emocionou. E depois ficou pedindo desculpas por ter chorado de emoção já que, segundo ela, o choro é um “artifício” muito usado pelas mulheres. (?!?!?). Eu entendo que existe manipulação no universo feminino, principalmente ligando a nudez e o sexo. Mas entendo também que pode ser resultado unicamente da minha escolha eu desejar ser bolinada por um homem qualquer no ponto de onibus.

    • Sempre me senti desconfortável com o a maneira como ela (a Márcia Tiburi) tratava a Maitê Proença e a Luana Piovani no Saia Justa, como se ela fosse, de alguma forma uma criatura superior.

      Acho que ela super generaliza e radicaliza as coisas, não tem necessidade disso.

      Se todas as mulheres que posaram pra Playboy são umas patetas como ela disse então isso inclui a Fernanda Young, Christiane Torloni, Betty Faria, Hortência Marcari, a própria Maitê Proença e tanta outras…

      Pela amor, né?….

  33. Eric disse:

    Convenhamos, a Luana, e você também Rebeca (desculpe a sinceridade) são pedaços de carne DE PRIMEIRA! Baby beef no ponto! rsrs
    Mas sobre nudez, eu acredito que o maior problema é a moral do povo que não consegue diferenciar o que é uma nudez como forma de expressão e uma nudez sexual. Tem muito a ver com o que nos ensinam quando somos crianças “Vai colocar uma roupa menino! Vai ficar andando pelado em casa? Ta doido?”
    Ainda vai levar um tempo para que todos sejam maduros o suficiente para lidar com essas situações.

  34. Diego Filipe disse:

    Belo texto! Aplausos!

  35. Anderson disse:

    Rebeca, teu texto é bacana. Mas, acho que essa coisa de “O meu corpo é somente meu e o que eu faço ou deixo de fazer com ele é escolha minha” é muito semelhante com o que de fato está em questão com a frase “o dinheiro é meu e eu compro um mcdonald’s e uma coca porque eu quero”. Não existe manipulação ideológica em jogo nunca?

    Eu adoro bater uma punheta pras moças da playboy e da sexy, mas sinceramente acho que existe uma diferença muito grande entre o trampo que aparece nessas revistas e o que o Spencer Tunick faz com o nu.

    E, por favor, essa coisa de comparar a realidade político-socio-cultural do Brasil com a da Europa já é tão demodé. ;)

    • Claro, pô!

      Alguém já te obrigou a beber coca-cola? você bebe? A sua escolha é sua! A propaganda da coca-cola me atinge tanto quanto à você, mas eu não gosto de refri pq sei que me faz mal, resolvi não beber coca-cola.
      Resolvi isso não pq da celulite ou pq engorda, mas sim porque sei dos trocentos malefícios que ele pode causar.

      As fotos do Tunick estão ai pra mostrar que nós, ser humanos, vivemos dentro de corpos. Corpos estes que são feitos de carne. Só isso.

      E isso de comparar a realidade de países europeus com a do Brasil é quase tão demodé quanto ter explicar que não tem nada de errado em aparecer nu na mídias, tendo conotação sexual (como na playboy) ou não (como nas fotos do Tunick), porém como vc pode ver isso é necessário…

      • André disse:

        Por você ter real consciencia de que o refrigerante te faz mal, a propaganda já não te atinge como atinge a maioria das pessoas, dizer que não existe manipulação ideológica é hipocrisia, e muitas vezes egoísmo (não to dizendo que é o seu caso, nem que não é). Você não pode dizer ”Ah, eu sei que me faz mal e não bebo… se você quiser beber se fode aí, o corpo é seu”… Cada pessoa é uma pessoa diferente, e cada um tem um nível de consciencia e percepção das coisas, sempre em evolução, mas muitas vezes lenta ao nosso conceito de tempo, a maioria esmagadora das pessoas não entende o poder e a influencia das propagandas (acho que nem você) e se entendessem com certeza o mundo não estaria do jeito que tá! Não somos ”pedaços de carne” pura e simplesmente, nosso cérebro reage das mais diversas maneiras à tudo que vemos, e a repetição nos faz entrar em estados diferentes, todos sabemos que a coca-cola faz mal, mas a repetição da propaganda cria um estado de consciência onde se é natural consumir desentupidor de ralos… Ninguém nasceu gostando de coca cola, as pessoas aprendem… não somos meros pedaços de carne, nosso comportamente é sempre moldável, estamos em constante mutação como tudo na natureza, e afirmo que a maior parte das pessoas no mundo (sim, to afirmando isso) tem o seu comportamento diário movido às repetições dos jornais e da propaganda, a maioria das pessoas foi moldada desde que nasceu (inclusive eu e você, mas isso com certeza você já sabe, né?). Onde a indústria em questão entra nisso?
        Antes, a frase ”cabe às pessoas discernir o que é real e o que não é…” bem, com todo o respeito, essa é uma frase muito cretina, e quer você perceba ou não, com ela você aceita toda a merda que tá rolando no mundo hoje, sem um pingo de indignação, não me focando somente em propaganda, mas religião, ideologias, guerras enfim, uma caralhada de coisas, se você tem consciência disso, paciência… Esse é um assunto mais complexo, e que não acho que vamos ter oportunidade de discutir juntos.

        Como disse o Alex, você tem que diferenciar uma coisa da outra… no ponto de vista individual, realmente não há problema em posar nu em empresas voltadas ao prazer masculino, afinal ganha-se uma boa grana… No ponto de vista coletivo, criam-se padrões de beleza que resultam em insegurança e infelicidade na vida das pessoas, (não botando a culpa nas modelos, e sim nas empresas, mas com certeza não se pode colocar a culpa nas pessoas por elas se sentirem mal, adivinha só, pessoas se sentindo mal é o principal objetivo da propaganda) por outro lado os chefões ganham muita grana, muitas putas, iates, pó, os homens têm sua visão de mulher como objeto pra lhe servir, se masturbar e xingar renovada toda semana, o sexo continua sendo o objetivo principal na vida, enfim… O machismo continua firme e forte, e o pior, se renovando. Como tudo nesse sistema (de merda) é um efeito dominó e tem que observar de uma maneira diferente, na minha opinião. Meus exemplos podem não ter sido os melhores mas acredito que me fiz entender, moro em favela, e aqui você vê o quanto a industria machista atinge as pessoas, principalmente as garotas de 7 anos pra cima.

        Ah, mas hey… a culpa é toda das pessoas, né? Não existem nenhuma manipulação sobre comportamentos hoje em dia… são as pessoas que são burras.

        Concordo que aqui você só expressava sua opinião, e que feministas as vezes tem discursos extremos, mas você não entender o que a mulher quis dizer com ”Quem faz isso não tem noção que somos reduzidas ao corpo.” Bem… é muita inocencia de sua parte, ou me parece que você nem quis pensar à respeito… ou como o rapaz disse, você é machista, ou sei lá! Mas é impossível negar o quanto essa indústria pornográfica é totalmente voltada pra submissão feminina e o prazer masculino. Não dá pra discordar disso argumentando que as mulheres ganham bem…

        Acho que as pessoas irão parar de se incomodar com a nudez sexual quando esta não for em sua maioria esmagadora voltada pra homens, quando não for posta de uma maneira que degrade a mulher, posta de uma maneira obsessiva, quando essa industria parar de bitolar a cabeça das pessoas no que diz respeito à sexo, quando o foco das séries da Warner deixarem de ser sexo, quando não passar sexo na tv o tempo todo, enfim, numa sociedade completamente doente por sexo… é difícil uma buceta não ser ”ÓÓÓÓHHHH UMA BUCETA”.

        No mais, acho que as vezes você responde os comentários de uma forma simplista de mais, às vezes dá impressão de que nem pensou no assunto, e prefiro não pensar que você acha que já sabe demais. Volto à questão do refrigerante, a propaganda não atinge à você como atinge a maioria das pessoas… mas será que você nunca refletiu COMO ela atinge essa maioria de pessoas?
        Mais uma vez, colocar a culpa nas pessoas assim tão fácil é ingênuidade, ignorância, inocencia, ou mal caráter.
        Se achar que me desfoquei em alguma parte, desculpe.

        Quanto a parte de que as pessoas deveriam se sentir mais à vontade em mostrar o corpo independente da opinião das outras, independente de padrões, valores morais, eu concordo, isso sim é liberdade, sair na rua nu se quiser… que mundo perfeito! Isso tem a ver com liberdade, vender a imagem a uma revista acredito que ainda faz parte da prisão. Deveríamos lutar por esse e mais um milhão de direitos que nos são negados todos os dias, mas na atual sociedade, com o tanto de absurdos que ignoramos todos os dias, com o quão egoístas nos tornamos, com a influencia de um pequeno numero de empresários em nossas vidas ditando tudo, a mídia, ”Deus”, sexo, dinheiro… caralho, é muito difícil falar em mudança se lutamos contra as causas do problema e não contra o problema em si.
        Abraços.

      • Karina disse:

        O universo da internet é tão infinito que seria ingenuidade criar uma batalha intelectual em cada post de cada blog.
        Mas achei o comentário do André genial, infelizmente não tem opção de responder diretamente para ele.
        Rebeca, entenda que no seu blog, a partir do momento que se abre oportunidade para comentários, virão ideias que nem sempre você vai concordar. Mas sua atitude tendenciosa de nunca achar que o outro está correto, a não ser quando te elogiam, invalida qualquer parte do seu argumento, pois mostra que você não está aberta a discussão. Seria melhor tirar as opções de comentários e deixar apenas um botão de LIKE.
        Não li seus outros posts, estou me referindo apenas a este.
        De resto, concordo com outros comentaristas como o André, o Anderson, e outros antes destes. Tenho outros complementos sobre o assunto, mas sei que a abertura intelectual é unilateral.

        • Karina

          Eu tento trazer coisas que eu considero legais aqui pro site (fotos, textos, gifs, vídeos e em breve uma série de entrevistas).

          De coração, estou super aberta a tds os tipos de comentários.
          Meu intuito não é fazer com que as pessoas pensem como eu, apenas fazer com que elas pensem (mesmo que discordem de mim).

          Veja o Bruno por exemplo, ele esta fazendo uma critica mega construtiva e esta me fazendo pensar sem me ofender pessoalmente.

          A partir do momento em que alguém faz um comentário tipo “kkkkk se liga menina vc só escreve bosta. esta totalmente perdida” me sinto no total direito e dever de responder a altura.

          Ficaria feliz em receber o que vc tem a acrescentar, independentemente do que seja, desde que não seja uma ofensa pessoal.

  36. Moniquinha disse:

    Luana Piovani fica mais linda a cada ano!!
    O texto é legal, só faltou uma correção hein.
    A carcaça que voz fala?
    Política sem acento?
    Entre outros…

  37. Rodrigo disse:

    Bom quanto a colocação da tal Márcia, creio que seja um ponto que levanta questões. Acredito que 90% das mulheres que posam nuas para revista hoje em dia seja em grande parte para ganhar um dinheiro fácil do que por qualquer outro motivo. O problema não seria ser rebaixadas em si, ganhar menos que o homem e tudo mais. Creio que o problema se divida em dois, primeiro que geralmente as pessoas tem a tendência de generalizar tudo em cima de uma pequena coisa, por exemplo se você pegar a indústria de entretenimento hoje em dia, música, cinema e televisão é enfocado numa visão de imagem total, onde o ‘status’ de alguém é definido por dinheiro, fama e que as mulheres só ligam pra isso. O que claramente, pra mim, não é verdade, mas o que a maioria das pessoas acredita. Existe sim uma porcentagem de mulheres que ligam 100% pra isso, mas que tipo de homem de verdade ia querer ter um relacionamento sério com uma mulher assim?

    O segundo ponto é mais para as próprias mulheres em si, primeiro de tudo as que por serem bajuladas demais por sua beleza, por terem sempre favores sendo feitos a si, por se encherem de drogas, bebidas e estímulos constantes acabam não desenvolvendo uma personalidade mais sólida, não se desenvolvendo como pessoas. Vivem a vida como se sua beleza fosse tudo, e quando a começam a perder pensam que perderam tudo possível, e me dá preguiça de escrever a quantidade de problemas que isso acarreta. Também deve ser horrível viver totalmente numa paranóia querer sempre se manter bela e mais bonita que a próxima. Fora tantas mulheres que não reconhecem a própria beleza por ficarem sempre se comparando com as capas de revista e etc.

    Não posso deixar de dizer o quanto concordo com a parte da liberdade pessoal. Cada um tem seu corpo e tem seu direito de fazer o que bem entender com o mesmo, se a mulher quer mostrar seu corpo, isso entra totalmente no direito dela, mesmo que isso acabe levantando algumas acusações extremistas e generalizadas como no caso da Márcia. Ao mesmo tempo que é uma opinião, e a opinião dos outros que se foda, mas claro – mantendo sempre um bom senso.

    Todo caso, artigo muito bem escrito e pontos de vistas interessantes. Fora os vários peitos espalhados por ele, o que reenforça os “pontos de vistas interessantes”. (:

    • 1) 72,4% das porcentagens são inventadas na hora.

      2) essa história de que trabalhar com a imagem nua não tem nada a ver com ganhar dinheiro fácil.

      3) Será que é tão legal assim ser bajulada por causa da sua casca o tempo todo? Será mesmo que a beleza gera favores e é apenas um fator facilitador profissional? Esse papo de beleza x drogas x bebidas é resultado de um preconceito bem bobinho.

      4) O tal do sofrimento que atingem as mulheres devido a uma capa de revista é culpa do Photoshop e da maneira como ele é mal usado. Cabe portanto, aos espectadores discernir o que é real e o que não é.

      • Rodrigo disse:

        1) 27.6% Concordo

        2) Com certeza a maior parte, do meu ponto de vista, faz muito mais pelo dinheiro, e em partes pelo ego do que por qualquer outro motivo. Isso falando de grandes revistas. Com poucas exceções. Não que isso seja algo abominável ou algo do tipo, é apenas a maneira como funcionam as coisas hoje em dia.

        3) Com certeza não deve ser. Acredito que o valor de qualquer pessoa vem muito mais do que suas aparências. Da mesma maneira que uma pessoa com muito dinheiro ou status tem muita gente querendo se aproveitar aproximando-se, Não que isso seja algo que justifique não querer nada disso, mas que essa parte deve ser chata, com certeza deve ser. Gera favores sim, mas me dá preguiça de entrar em mais detalhes. Seria um facilitador profissional em algumas áreas, e nada mais interessante quando a mulher prova que não é apenas mais um rostinho bonito. Preconceito em que sentido? É um tema bem largo, pode ser abordado de diversos prismas diferentes.

        4) O sofrimento vem de você viver pelo padrão de beleza da sociedade, que é totalmente irreal e muda de tempos em tempos. Se você viver por um padrão de singularidade e de ser quem você é da melhor maneira, cultivando seus valores internos próprios não existe a possibilidade de uma capa de revista inflingir qualquer tipo de sofrimento a qualquer pessoa. Quanto ao Photoshop ser mal usado, nada a acrescentar :P.

      • Alex disse:

        Inclusive essa porcentagem que você inventou agora…
        Sei que tem gente que posa nua por vaidade, porque gosta de nu artístico, mas você não pode negar que tem gente sim que está interessada em ganhar dinheiro fácil posando nua, ao contrário do que você fala nesse seu n° 2.